terça-feira, 12 de março de 2013

Vamos movimentar novamente o nosso blog



A VIDA E O URBANO NO BRASIL ESCRAVISTA.

Raoní Assad Nery de Brito



“Na maior parte das vezes, lembrar não é reviver, mas refazer, reconstruir, repensar, com imagens e ideias de hoje, as experiências do passado. A memória não é sonho, é trabalho. Por mais nítida que nos pareça a lembrança de um fato antigo, ele não é a mesma imagem que experimentamos na infância, porque nós somos os mesmos de então e porque nossa percepção alterou-se e, com ela, nossas ideias, nosso juízos de realidade e de valor.”
Bosi, 1994.



Este trabalho tem como base o texto Vida Urbana no Brasil Escravista de Márcio Maestri e irá deleitar-se acerca da formação do espaço urbano do Brasil escravista.
            Como é conhecimento de todos, o mundo urbano, no Brasil escravista, era subordinado ao rural, pois a economia brasileira naquela época, e até pouco tempo atrás, girava entorno da produção agrícola. Podemos concluir assim, que a área urbana era de certa forma um local de “veraneio”, sendo mais populoso nas entressafras. Até grandes vilas e aglomerações continham apenas os papeis administrativos, sociais e comerciais.
            No Brasil colônia as cidades tinham como habitantes permanentes alguns militares, servidores públicos, comerciantes, oficiais, mecânicos entre outros. O ponto é que os grandes senhores de engenho e grandes cafeicultores, apesar de ter residência nas cidades moravam mesmo em suas fazendas e quem morava nos centros urbanos e conseguia algum dinheiro logo comprava um terreno na zona rural. Outro fato importante é a quase inexistência de mão-de-obra livre, ou seja,
“A vida das cidades baseava-se no trabalho e no esforço do cativo. As ruas, praças, chafarizes, residências, igrejas, mercados e edifício públicos eram construídos por trabalhadores escravizados, dirigidos por homens livres, em geral mestres-de-obra portugueses.”
(Maestri, 2001)
            As construções eram em geral construídas de adobe, pau-a-pique e outros materiais usados na época, sendo que as maiorias das construções eram levantadas na entressafra, justamente porque os senhores de engenho e cafeeiros estavam nas cidades e podiam assim vigiar as construções.
            A coroa lusitana pouco deu importância à regulamentação dessas construções e que acarretou em um desalinho urbano e na simplicidade do ambiente urbano brasileiro da época. As construções que em geral eram retangulares, lado a lado e com fachadas e altura praticamente idênticas umas das outras acabava por criar uma sensação de monotonia e essa sensação era ampliada por falta de jardins domésticos. Uniformidade essa que podemos perceber ainda nos centros históricos das cidades mais antigas do Brasil tais, como, Salvador e Rio de janeiro.
            Com a vinda da Família Real as aglomerações urbanas começaram a ter um caráter mais europeu e com isso o calçamento rustico feito por escravos fincando pedras de variadas formas e tamanhos. As praças tinham sua utilidade ligada às procissões, festas, concentrações militares e mercado só depois a praça passa ter um caráter mais ligado ao lazer.
            É importante salientar que tanto a casa dos senhores de posses quanto do trabalhador livre eram muito parecidas exceto pelo tamanho, enfim, a arquitetura das casas, nos centros urbanos, não tinham tanta diferença entre classes sociais.
            Sobrados de dois pisos era a moradia preferida dos amos e estas eram dividas geralmente de forma que os cativos ficavam no térreo e seus amos no andar superior. Essas estruturas simbolizava o poder dos senhores sobre seus escravos.
A rígida divisão entre o andar térreo, destinado ao publico e aos escravos, e o superior, reservado à família, respeitava a radical separação de classes da escravidão.
(Maestri, 2001)
            Nessa época os escravos domésticos eram abundantes e as moradias dos senhores mais ricos tinham um bom contingente de cativos para a realização dos trabalhos, desde a cozinha até os portões. Nem os grades centros que se localizavam no litoral dispunham de serviços hidráulicos, a água ou era de poço da própria residência ou era coletada, por escravos, em poços comunitários.
            Os cativos também eram fonte de renda para seus amos seja no transporte de mercadoria, servindo de ama-de-leite, prostituição ou sendo alugados para variadas atividades.
Em 1808 ocorreu à transferência da corte portuguesa para o Brasil e o Rio de Janeiro torna-se a sede do império lusitano, a rustica capital entra em uma nova fase assumindo novas funções. A ex-colônia passa pro um processo de modernização com a missão cultural francesa promovida pela corte lusitana tentando dar um ar de realeza a capital. Com a independência, os cafeeiros e senhores de engenho passam ser senhores de uma nação e não de uma rustica colônia, sobre tudo depois de 1831, afirma Maestri.
Por fim, os grandes centros urbanos no Brasil colônia eram simples com o intuito de utilidade, não necessitava neste período de construções colossais e verdadeiros palácios e sim de habitações simples que dessem conta das atividades inerentes à vida urbana. Com a vinda da coroa portuguesa e logo depois com a independência surgiu a necessidade de uma zona urbana mais voltada à vida da realeza que acabara de chegar.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Fiquem atentos! Alguns eventos que ocorrerão neste fim de ano

XII Encontro Humanístico (04 a 09 de Novembro em São Luís - sujeito a alteração)
http://www.encontrohumanistico.eventos.dype.com.br/

I Encontro das Ciências do Estado do Maranhão (13 a 16 de Novembro em Grajaú)
[site em construção]

V Encontro dos Educadores (27 a 30 de Novembro em São Luís)
http://www.educacao.ufma.br/web/index.php

IV Seminário Nacional e VI Seminário Regional sobre Formações de Professores e Relações Étnico-raciais (28 a 30 de Novembro em Belém - PA)
http://www.nucleogeraufpa.blogspot.com.br/

III Encontro Nacional das Licenciaturas e II Seminário Nacional do PIBID (início de Dezembro em São Luís)
[site em construção]

Quem souber de mais eventos, pode divulgar aqui!

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Vagas Remanescentes para UFMA - Campus de Grajaú

Se você conhece alguém que tenha terminado o Ensino Médio ou esteja em processo de conclusão, tenha feito o ENEM 2011 e queira ingressar na Universidade Federal do Maranhão, ainda há vagas para o semestre 2012.2. Os cursos são para Licenciatura em Ciências Humanas ou Naturais. As aulas iniciam em Novembro.

Veja Edital abaixo:



Edital Nº 149/2012-PROEN

(Procedimentos e cronograma de inscrição, seleção e matrícula em VAGAS REMANESCENTES para ingresso no SEGUNDO SEMESTRE DE 2012)

                            A UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO/UFMA, por intermédio da Pró-Reitoria de Ensino, considerando a Resolução Nº 677 – CONSEPE, de 30 de abril de 2009, o Edital Nº 07/2011 – MEC, de 08 de junho de 2011, torna público os procedimentos e o cronograma de inscrição, seleção e matrícula de candidatos a vagas remanescentes em Cursos de Graduação de câmpus desta IFES para ingresso no segundo semestre letivo de 2012.

I – DAS INCRIÇÕES

1. As inscrições para o processo seletivo de que trata este Edital serão realizadas exclusivamente por meio eletrônico, de 8 a 21 de outubro de 2012, conforme os prazos indicados pelo Anexo II.

2. Para efetuar sua inscrição, o candidato deverá certificar-se de que preenche todos os requisitos exigidos por este Edital e deverá adotar os seguintes procedimentos:

I. Acessar o sítio oficial da Universidade na Internet (www.ufma.br) e nele selecionar o link "Vagas Remanescentes SiSU", disponível em "SERVIÇOS ON-LINE", que remeterá  à página de inscrição do “Processo Seletivo UFMA/SiSU 2012-2 Vagas Remanescentes;
II. A partir do link referido no Item I acima, retirar a íntegra deste Edital e seus anexos;
III. Ler com cuidado todas as instruções, de modo a fazer sua inscrição criteriosamente;
IV. Preencher completa e corretamente o Formulário de Inscrição On-Line, de modo a efetivar adequadamente sua inscrição.

3. A UFMA não se responsabilizará por inscrições não recebidas por motivos de ordem técnica de computadores, falhas de comunicação, congestionamento de linhas, etc., bem como outros fatores de ordem técnica que possam impossibilitar a transferência de dados.

4. Cada candidato só poderá efetuar inscrição em um único Curso de Graduação.

II – DA SELEÇÃO

5. A seleção dos candidatos às VAGAS REMANESCENTES constantes do Anexo I deste Edital será efetuada exclusivamente com base nos resultados obtidos pelos candidatos que tenham prestado o Exame Nacional do Ensino Médio/ENEM referente ao ano de 2011 e que tenham efetuado inscrição no Sistema de Seleção Unificada/SiSU para concorrer a vagas ofertadas pelos Cursos de Graduação da UFMA para o ingresso no primeiro ou no segundo semestre letivo de 2012.

6. Os candidatos participantes do processo seletivo regido por este Edital serão classificados exclusivamente por ordem decrescente de pontuação obtida no ENEM 2011 e unicamente em ampla concorrência.

III – DA MATRÍCULA

7. O candidato selecionado pelo presente processo deverá comparecer ao campus de oferta do Curso para o qual foi selecionado, nas datas assinaladas no Anexo II, munido dos seguintes documentos originais:

a) Registro Geral de Identidade (RG);
b) CPF;
c) Prova de quitação com o serviço militar, para os candidatos do sexo masculino, maiores de 18 anos e menores de 45 anos;
d) Título de Eleitor e prova de quitação eleitoral, para maiores de 18 anos;
e) Certificado de Conclusão do Ensino Médio ou estudos equivalentes, devidamente registrado ou autenticado pelo órgão competente;
f) Histórico Escolar do Ensino Médio.

8. Para efetivar sua matrícula na UFMA, além dos documentos originais referidos no Item 7, o candidato selecionado deverá trazer:

a) Duas fotos 3x4 coloridas e recentes, de frente, iguais e ainda não utilizadas;
b) Cópia do Certificado de Conclusão do Ensino Médio ou estudos equivalentes, referido na letra “e” do Item 7;
c) Cópia do Histórico Escolar do Ensino Médio, referido na letra “f” do Item 7;
d) Declaração assinada, de acordo com o modelo do Anexo III, de que não está cursando, nem está matriculado em qualquer curso de graduação de instituição pública (conforme o disposto na Lei nº 12.089, de 11 de novembro de 2009).

9. Os candidatos que forem convocados para efetuar a matrícula e não estejam de posse dos documentos escolares exigidos no Item 7, alíneas e)  e  f), poderão efetuar sua matrícula mediante a apresentação de  Termo de Compromisso (conforme o modelo do Anexo IV deste Edital), acompanhado de certidão ou declaração de conclusão de Ensino Médio, Técnico ou equivalente, devidamente assinada pela Direção da Escola, ficando a obrigação de, no prazo de 90 (noventa) dias, apresentarem o certificado ou diploma de conclusão do Ensino Médio, Técnico ou equivalente, devidamente registrado, e histórico escolar, sob pena de cancelamento da matrícula inicialmente deferida.

10. O candidato que tenha realizado estudos equivalentes ao Ensino Médio, no todo ou em parte, no exterior, deverá apresentar documento comprobatório de equivalência, expedido por Conselho Estadual de Educação.

11. Para efetivar a matrícula dos candidatos selecionados para o Curso de Música Licenciatura, a Comissão de Validação exigirá que eles apresentem, além dos documentos gerais previstos nos Itens 7 e 8, uma Declaração de Aptidão Musical ou equivalente expedido pelo Curso de Música da Universidade Federal do Maranhão ou por outra Instituição de Ensino Superior reconhecida pelo Ministério da Educação.

12. Para efetivar suas matrículas nos cursos para os quais foram selecionados, os candidatos deverão se dirigir, no horário das 08:00 às 12:00 h e das 14:00 às 18:00 h (hora oficial do Estado do Maranhão), conforme o município de oferta do curso, aos seguintes locais/campi:
a)  Campus Universitário de Codó - Secretaria Acadêmica – Avenida Dr. José Anselmo, 2.008, Bairro: São Benedito, Codó – MA. Telefone: (99) 3661 2340;
b)  Campus Universitário de Grajaú – Secretaria Acadêmica – Av. Aurila Maria Santos Barros de Sousa, s/n, Bairro: Loteamento Frei Alberto Beretta, Grajaú-MA.Telefone: (99) 8852 1815;
c)  Campus Universitário de Pinheiro – Secretaria Acadêmica - Rua Raimundo José Pimenta, s/n, Bairro: Floresta, Pinheiro-MA. Telefone: (98) 3381-1454;
d)  Campus Universitário de São Bernardo – Secretaria Acadêmica - Rua Projetada, s/n, Perímetro Urbano, São Bernardo-MA. Telefones: (98) 3477 1513 e (98) 3477 1526;
e)  Campus do Bacanga – DIORC/DEOAC/PROEN - Avenida dos Portugueses, 1.966, CEB Velho, Cidade Universitária, São Luís-MA. Telefones: (98) 3301 8739 e (98) 3301 8738.


IV – DAS DISPOSIÇÕES FINAIS


13. A Comissão Permanente de Vestibular (COPEVE) da UFMA é a responsável pela coordenação e supervisão geral de todo o processo de ingresso dos candidatos nos cursos de graduação da UFMA e, por intermédio da Pró-Reitoria de Ensino (PROEN), divulgará, sempre que necessário, Editais e Avisos Oficiais sobre o processo.

14. O Diretor do DEOAC/PROEN, assessorado pela COPEVE e pela Comissão de Validação de Matrículas, é o Responsável Institucional pela operação do Sistema Acadêmico e pela efetivação das matrículas institucionais dos candidatos selecionados pelo Processo Seletivo SiSU/UFMA 2012-2.

15. Para informações adicionais, o candidato poderá entrar em contato com o Departamento de Desenvolvimento e Organização Acadêmica/DEOAC (situado na Avenida dos Portugueses, 1.966, CEB Velho, Campus do Bacanga), por meio dos telefones (98) 3301-8737, 3301-8738, 3301-8739 ou pelo e-mail ingresso.estudante@ufma.br

16. O candidato que não atender a todas as exigências e prazos deste Edital não terá sua matrícula efetivada e perderá a vaga para a qual foi selecionado.

17. Caso as vagas remanescentes ofertadas por este Edital não sejam integralmente preenchidas no prazo indicado para as matrículas da Primeira Chamada, a UFMA convocará os candidatos excedentes até que todas as vagas sejam ocupadas, por meio de Chamadas UFMA para excedentes de vagas remanescentes, disponibilizadas a partir do sítio oficial da Universidade na internet: www.ufma.br.

18. É de responsabilidade exclusiva dos candidatos a observância dos procedimentos e prazos estabelecidos nas normas que regulamentam o presente processo de seleção, bem como os documentos exigidos para a matrícula, inclusive o horário de atendimento.

19. Os casos omissos serão deliberados pela COPEVE, e encaminhados sob a forma de Portaria do Pró-Reitor de Ensino.

20. Fazem parte deste Edital os seguintes anexos:
a)  Anexo I: Quadro de Vagas Remanescentes para 2012-2;
b)  Anexo II : Cronograma Geral do Processo Seletivo;
c)  Anexo III: Modelo de Declaração de não ocupação de duas vagas públicas (nos termos da Lei 12.089, de 11 de novembro de 2009).
d) Anexo IV: Modelo de termo de compromisso para candidatos que não estejam de posse de documentos escolares, conforme Item 9.

São Luís, 26 de setembro de 2012

Prof. Dr. João de Deus Mendes da Silva
Pró-Reitor de Ensino, em exercício



ANEXO I

QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA 2012-2

Campus
Curso
Código
E-Mec
Modalidade
Turno de Funcionamento
Vagas
CODÓ
CIÊNCIAS HUMANAS
1117770
LICENCIATURA
NOTURNO
14
GRAJAÚ
CIÊNCIAS HUMANAS
1117812
LICENCIATURA
NOTURNO
43
CIÊNCIAS NATURAIS
1117820
LICENCIATURA
NOTURNO
44
PINHEIRO
CIÊNCIAS HUMANAS
1117765
LICENCIATURA
NOTURNO
08
CIÊNCIAS NATURAIS
1117741
LICENCIATURA
NOTURNO
15
SÃO BERNARDO
LINGUAGENS E CÓDIGOS
1117823
LICENCIATURA
VESPERTINO
44
CIÊNCIAS HUMANAS
1117816
LICENCIATURA
NOTURNO
09
CIÊNCIAS NATURAIS
1117818
LICENCIATURA
NOTURNO
23
SÃO LUÍS
MÚSICA
105438
LICENCIATURA
VESPERTINO
07
TOTAL DE VAGAS REMANESCENTES
207


ANEXO II

CRONOGRAMA GERAL (PRIMEIRA CHAMADA)

Evento
Data
1
LANÇAMENTO DO EDITAL
26 DE SETEMBRO DE 2012
2
INSCRIÇÃO ELETRÔNICA
08 A 21 DE OUTUBRO DE 2012
3
DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DA PRIMEIRA CHAMADA
22 DE OUTUBRO DE 2012
4
MATRÍCULA INSTITUCIONAL
29 e 30 DE OUTUBRO DE 2012


ANEXO III

MODELO DE DECLARAÇÃO DE NÃO OCUPAÇÃO DE DUAS VAGAS PÚBLICAS

DECLARAÇÃO

______________________________________________________________________________
(nome), RG _________________, CPF _________________________________, natural de _____________________________________________________________, residente à ____________________________________________________________________, declaro, para os fins de validação de minha matrícula na Universidade Federal do Maranhão, que não estou cursando, nem estou matriculado em curso de graduação de instituição pública (nos termos da Lei 12.089, de 11 de novembro de 2009). Declaro, por fim, que a falsidade desta declaração tornará nula minha matrícula, de pleno direito, não tendo, portanto, nada mais eu a reclamar.

São Luís, __________ de ________________ de __________

__________________________________________________
(Assinatura)
Testemunhas:


_____________________________________________________           ___________________________________
                            (nome por extenso/CPF)                                              (assinatura)



_____________________________________________________           ___________________________________
                            (nome por extenso/CPF)                                              (assinatura)






ANEXO IV

MODELO DE TERMO DE COMPROMISSO PARA CANDIDATOS QUE NÃO
ESTEJAM DE POSSE DE DOCUMENTOS ESCOLARES, conforme item 9



______________________________________________ (nome), RG ____________________, CPF ___________________________, natural de ____________________________________, residente à __________________________________________________, ou assistido por seu representante legal ___________________________________________________________, CPF_______________________RG _______________________, vem, por meio deste instrumento, assumir o compromisso de apresentar, no prazo máximo de 90 (noventa) dias, (    ) o Certificado ou Diploma de Conclusão do Ensino Médio ou curso equivalente e/ou (    ) Histórico Escolar do Ensino Médio, devidamente registrados, sob pena de cancelamento da matrícula inicialmente deferida, sem prejuízo das demais sanções legais cabíveis.

São Luís, _______ de _______________________ de _________


_______________________________________________     _______________________________
               (Candidato- nome por extenso/CPF)                                               (assinatura)

_______________________________________________     _______________________________
        (Representante Legal- nome por extenso/CPF)                                       (assinatura)